Blog de Marketing Digital de Resultados

Como a mudança na exibição das imagens do Gmail afeta as métricas de abertura

Se você é usuário do Gmail, já deve ter reparado que recentemente o serviço mudou a forma de exibição das imagens das mensagens, que era bloqueada por padrão. Agora, elas estão sendo exibidas diretamente, sem a necessidade de o usuário clicar no link “exibir a imagem”.

A requisição de autorização para exibir imagem acontecia por questões de segurança, mas, segundo o próprio Gmail, graças a inovações tecnológicas do Google, agora as imagens são armazenadas no cache dos próprios servidores da empresa. Desta forma, elas são exibidas automaticamente para todos os usuários, seja acessando via navegador normal ou por meio de aplicativos dos sistemas operacionais iOS e Android.

Logo que a mudança foi anunciada, o receio da maioria das empresas que trabalham com Email Marketing era que o armazenamento das imagens em cache pelo Google pudesse afetar negativamente a contabilização da taxa de abertura das mensagens.

Neste post vamos falar como era antes e quais as principais consequências da mudança:

Como a taxa de abertura era contabilizada

Os serviços de email conseguem contabilizar a taxa de abertura por meio de uma imagem de 1 pixel (invisível) inserida nas mensagens enviadas. A cada abertura, o acesso a essa imagem era requisitado ao servidor.

Acontece que antes, se o usuário do Gmail abrisse a mensagem e optasse por não visualizar a imagem, a abertura não era contabilizada. E, ainda que o usuário abrisse o mesmo email repetidas vezes, cada requisição desta imagem ao servidor era contabilizada. Desta forma, pelo número de aberturas de um mesmo destinatário era possível medir seu nível de interesse sobre o conteúdo.

Agora: mais precisão para a taxa de abertura única

O que acontece agora é que, na primeira vez que o usuário abre a mensagem, a imagem é aberta automaticamente e fica salva em cache no servidor do Gmail. Assim, a visualização será contabilizada para todos os que abrirem, mas apenas uma única vez, ainda que ele venha a abrir a mesma mensagem outras vezes – seja a partir da mesma plataforma ou de outra diferente.

Então, se por um lado a exibição das imagens de forma automática vai prejudicar a contabilização de múltiplas aberturas, a novidade deve tornar a taxa de abertura única mais precisa. Não haverá a possibilidade de abrir um email sem visualizar as imagens, prática que costumava ocultar algumas aberturas. Esses leitores que optavam por não exibir as imagens do email, agora deixaram de ser invisíveis para serem contabilizados.

Perda de algumas informações

Outra mudança é que, com as imagens armazenadas em cache pelo Google, são perdidos os dados de geolocalização e IP do usuário, além de não ser mais possível saber a partir de qual navegador ele acessou o serviço, por exemplo. No entanto, essa mudança não deve ter grandes impactos, uma vez que essas informações são registradas e exibidas também pelo Google Analytics quando o usuário clica na mensagem e é direcionado para o site da empresa.

Além disso, se com alguns serviços era possível alterar as imagens dos emails mesmo depois que as mensagens eram enviadas, atualmente isso fica mais difícil caso o usuário já tenha aberto o email uma vez. Isso deve afetar principalmente as empresas que precisam atualizar ofertas de emails promocionais ou corrigir posteriormente eventuais imagens quebradas ou erradas.

Como ainda se sabe pouco sobre os impactos que essa mudança terá de fato sobre as campanhas de Email Marketing, recomendamos ficar atento às novidades e observar o desempenho de suas próximas campanhas.

 

Crédito da imagem: Shutterstock

Marcadores:

Deixe seu comentário