Blog de Marketing Digital de Resultados

Por que conteúdo de qualidade não é sinônimo de conteúdo longo

Muitas vezes, conteúdo de qualidade é confundido com conteúdo longo. Nesse post vamos desmistificar essa correlação e mostrar alguns requisitos que seu conteúdo precisa ter para gerar valor ao usuário.

Quando se fala em produzir conteúdo de qualidade para Marketing Digital, muitas vezes associa-se “conteúdo de qualidade” à “conteúdo longo”. E, de fato, há muitas pesquisas que fazem essa correlação – inclusive nós, da Resultados Digitais, já defendemos que posts mais longos são, em média, mais compartilhados que posts curtos.

Mas acontece que nem sempre esta correlação é verdadeira. Se pensarmos bem, vivemos em uma época em que o tempo que podemos dedicar para ler e aprender é cada vez menor. Para se ter uma ideia, há um estudo desenvolvido pela Microsoft que afirma que nosso tempo de concentração na era digital é de apenas 8 segundos – menor do que o de um peixe!

Por isso, um conteúdo longo pode concorrer com muitas distrações – pop-ups que surgem em meio à leitura, banner que atraem a atenção, outras abas do navegador, o simples cansaço do leitor etc.- e acabar não cumprindo seu objetivo.

Com isso, não queremos dizer de maneira nenhuma que um conteúdo longo não é uma boa ideia: de fato, a tendência é de que, quanto maior ele for, maiores serão as chances de o usuário encontrar as respostas para suas perguntas. Ou seja, ele funciona sim.

O que não funciona é um conteúdo longo que não ofereça valor, cheio de rodeios, feito apenas para “encher linguiça”. Em resumo, nem todo conteúdo de qualidade precisa ser longo; um conteúdo curto pode ser, sim, relevante, desde que traga bastante informação valiosa para quem o consome.

Mas, afinal, o que torna um conteúdo relevante?

Se tamanho não é documento e a qualidade de um conteúdo não está necessariamente atrelada ao seu tamanho, o que torna um conteúdo relevante?

A verdade é que não existe um passo a passo mágico a ser seguido que garanta que seu conteúdo será de qualidade. Mas, para ser relevante para sua audiência, ele deve cumprir alguns requisitos básicos:

Ser de qualidade, confiável, útil e interessante

Parece óbvio, mas, na ânsia por criar conteúdo e começar a gerar resultados com essa estratégia, muitas empresas esquecem que o objetivo do conteúdo é ter qualidade, ser confiável e útil para o público-alvo. Afinal, só assim você vai gerar a confiança necessária para ser mais do que alguém que oferece conteúdo e se tornar a escolha de muitos consumidores na resolução de seus problemas.

E não se esqueça de que você precisa oferecer qualidade, confiabilidade e utilidade de forma interessante. Se nossa atenção é menor do que a de um peixe, tenha certeza de que está fisgando bem os seus.

Atender as expectativas do leitor

Se o seu visitante chega até seu conteúdo querendo uma resposta para a dúvida dele, o mínimo que você deve fazer é dar essa informação.

Responda as perguntas da sua audiência e ajude-a a realizar seus objetivos.

Oferecer uma boa experiência do usuário

As pessoas procuram por informação, mas elas procuram por informação rápida, de fácil acesso e em um formato agradável ser consumida. Por isso, certifique-se de que seu site oferece seu conteúdo de forma rápida e acessível em todos os formatos pelos quais é consumido.

Pense bem: quantas vezes você já desistiu de consumir algum conteúdo porque a página demorou a carregar? Quantas vezes você desconfiou de um site e saiu porque o layout era meio “suspeito”?

Se você já fez isso, por que seu público não faria?

Oferecer a informação certa e ir direto ao ponto

Como dissemos lá em cima, evite os rodeios e a “encheção de linguiça”. Seja focado e vá direto ao ponto. Simples assim.

Oferecer contexto é importante para que o leitor tenha uma visão mais precisa e detalhada de qual é o problema dele e como resolvê-lo, mas cuidado para não se perder no meio do caminho.

Fazer diferente…

Hoje em dia o Marketing de Conteúdo já está disseminado e há um mar de conteúdo por aí. Por isso, diferencie-se. Olhe suas soluções por outro ângulo, e mostre esse novo ponto de vista à sua audiência.

Por que seguir sempre a mesma cartilha se você pode inovar? Pense em outros formatos, novas linguagens, novos parceiros.

Por exemplo, em vez de criar apenas um texto, que tal complementá-lo com uma imagem para ajudar a explicar um conceito? Ou traduzir este conceito em um vídeo ou um infográfico.

Vale tudo, desde que isso torne o conteúdo mais fácil de ser explicado e de ser consumido.

… e ser melhor do que a concorrência

Trazer algo novo é importante, mas a inovação pela inovação, sem pesquisa nem análise da concorrência, pode ser um tiro no pé.

Faça benchmarking e pergunte a si mesmo – e a seus colaboradores: o que está faltando no conteúdo dos concorrentes que podemos oferecer?

Exemplos

Ok, sabemos que é fácil falar, o difícil é colocar em prática. Por isso, selecionamos alguns exemplos de conteúdo realmente relevantes e interessantes – e que não são longos:

What’s Really Warming the World? – Bloomberg

A causa das mudanças climáticas ainda é algo muito debatido pelos cientistas, e há inclusive céticos que tentam justificá-las com causas naturais. De qualquer forma, a maior parte dos conteúdos que abordam o assunto são extensos e muitas vezes inacessíveis e complexos para o público leigo.

Para mostrar quais são as causas do fenômeno e o quanto o ser humano está influenciando neste processo, a Bloomberg criou uma forma visual e interativa de entregar toda essa informação ao usuário.

Além de ser visualmente atrativo, o conteúdo tem a vantagem de ir direto ao ponto – e mostra claramente quais e quanto cada fenômeno, natural ou não, influi nas mudanças climáticas.

Ao final do conteúdo, o infográfico é explicado de forma eficiente, porém breve – sem complicações.

9 basic principles of responsive web design – Froont

Como você explicaria os princípios do design responsivo? Com um longo texto? Talvez não seja a melhor ideia. Com imagens estáticas? Melhor, porém ainda pode ser difícil.

A Froont resolveu explicar de uma forma que parece óbvia – mas que é ao mesmo tempo diferente do que costumamos ver.

Através de GIFs, o blog da ferramenta de webdesign nos mostra a diferença entre design responsivo e adaptativo, imagens bitmap e vetoriais, valores mínimo e máximo de largura etc. Assim, com uma imagem, economizam muitas palavras e tornam o entendimento muito mais simples.

Quais os tamanhos de imagens para as redes sociais? – Resultados Digitais

Aqui na Resultados Digitais, também temos conteúdos curtos que são relevantes. Um deles é este post com infográfico que indica quais tamanhos de imagens devem ser usados em cada rede social.

Como estamos falando de imagens, a opção foi abordar as informações através de um infográfico, que mostra de forma muito mais rápida e clara como o usuário deve usar as imagens nas redes.

O resultado são mais de 9 mil visualizações do post por mês e mais de 1,5 mil compartilhamentos.

Clique na imagem para visualizar o infográfico.

Máquina de Títulos – Resultados Digitais e Rock Content

Para entregar conteúdo de qualidade, você não precisa necessariamente oferecê-lo em formato de post. Ele pode, por exemplo, ser uma ferramenta que auxilie seus visitantes a realizarem uma tarefa com mais facilidade.

Um exemplo é a nossa Máquina de Títulos, uma ferramenta que criamos com a Rock Content que ajuda os usuários a criarem títulos para seus conteúdos.

Ela é simples de ser utilizada, quase não possui textos explicativos, mas gera um conteúdo bastante valioso para quem a utiliza.

Desde que a criamos, já gerou mais de 19 mil Leads.

Clique na imagem para utilizar a ferramenta.

Conclusão

Como vimos, não é preciso criar um conteúdo necessariamente longo para gerar valor para seus visitantes. O tamanho de um conteúdo não é uma “fórmula mágica” para seu sucesso.

Em vez disso, aposte em algo realmente relevante, seja curto ou longo. E se você cortar o que é desnecessário, deixando apenas aquilo que seu público quer e precisa, ele com certeza irá agradecer.

Agora que você já sabe o que é conteúdo relevante, aproveite e leia também nosso eBook gratuito O Guia Definitivo do Marketing de Conteúdo.

Marcadores:

Deixe seu comentário