Blog de Marketing Digital de Resultados

Cara, cadê meu PageRank?

O Google anunciou em 2016 que não vai mais exibir a informação do PageRank dos sites, mas ainda há alternativas para contornar essa mudança. Confira!

Se você já tem conhecimento sobre SEO há pelo menos 5 anos, já deve pelo menos ter ouvido falar bastante das “traquinagens” que o Google costuma fazer com os profissionais de SEO. Um exemplo ocorreu em 2011, quando o Google lançou o update Panda e passou a não aceitar mais qualquer conteúdo mal escrito, com repetições exageradas de palavra-chave apenas para melhor posicionar. No mesmo ano, a empresa decidiu que não iria mais exibir qualquer informação sobre as palavras-chave que trouxeram tráfego para o seu site (o famoso “Not Provided”). Já em 2012 o Google lançou o update Penguin, fazendo com que todos os sites com links de baixa qualidade, artificiais, sofressem consequências.

Bom, verdade seja dita: todas essas mudanças que o Google estabeleceu foram justas e necessárias. Sim, visto que o algoritmo do Google foi feito para traduzir o que seria uma boa experiência para o usuário e não para que os sites artificialmente se adequassem a esse algoritmo (que é o que sempre aconteceu).

Sob essa mesma premissa, no dia 18 de abril de 2016, o Google anunciou a mais nova: a partir desse dia, ele não exibiria mais publicamente a informação do PageRank de todos os sites.

Para você que não se impressionou muito, precisamos contextualizar:

O que é PageRank

O PageRank é uma maneira criada por Larry Page, cofundador do Google, de medir a autoridade de uma página. A métrica é baseada na quantidade e qualidade de links que um site recebe. Todos esses critérios são analisados e ilustrados através de uma escala de 0 a 10. Sendo 0 um site com pouquíssima relevância e autoridade e 10 com extrema autoridade e relevância. A métrica está intimamente relacionada com o link juice.

A escala sempre foi muito importante para os especialistas em SEO planejarem suas estratégias. Afinal, o PageRank era a métrica ideal para identificar as páginas mais fortes de um site. Inclusive muitas ferramentas (algumas até pagas) disponibilizavam essa métrica para seus usuários.

Ainda assim não é o fim do mundo. Existem algumas alternativas que você pode utilizar para não sentir os fortes efeitos dessa mudanças.

Alternativa 1 – SEOmoz

A SEOmoz, uma das maiores ferramentas focadas em SEO do mundo, possui uma métrica/escala própria que ilustra uma espécie de autoridade muito parecida com a proposta do PageRank: estamos falando do Page Authority.

O Page Authority é uma escala logarítmica (quanto maior o número, mais difícil é crescê-lo) que vai de 0 a 100. Apesar dessa métrica levar em consideração não só a qualidade e quantidade de links que a página em questão tem, os outros fatores que ela avalia estão bem relacionados com a autoridade e relevância da página, fazendo com que você tenha esse número ilustrativo parecido com o PageRank.

Em 2015, no famoso artigo anual da MOZ (Search Engine Ranking Factors 2015 – Moz), o Page Authority foi um dos fatores que melhor representavam um bom desempenho nos motores de busca, provando ser de alto valor, assim como o PageRank.

A SEOmoz é uma ferramenta paga.

Alternativa 2 – Ferramentas de análise de links

Como já dito, o PageRank é baseado no número de links e na qualidade deles. Uma forma, até um pouco óbvia, de continuar entendendo da autoridade e relevância das páginas, é analisar manualmente a quantidade e qualidade dos links para essas páginas, através de ferramentas de análise de links.

Muitas ferramentas voltadas para linkbuilding possuem suas próprias métricas, que avaliam esses critérios. A Majestic SEO, por exemplo, tem as métricas Trust Flow e Citation Flow para traduzir a autoridade dos links que uma página recebe. Ou a ferramenta Ahrefs que possui uma funcionalidade para identificar as páginas mais fortes de um site.

Além dessas citadas aqui, existem muitas outras que podem te ajudar a interpretar melhor os links de uma página. Se você já é mensalista de alguma ferramenta desse tipo, investigue as suas funcionalidades e provavelmente encontrará métricas que serão de grande ajuda na hora de entender a força de uma página.

Ah, e falando em ferramentas de SEO, você também pode aprofundar um pouco mais nesse assunto no nosso post sobre ferramentas de SEO.

O PageRank ainda existe

É importante ressaltar que essa nova notícia que o Google deu não se trata da extinção do PageRank, mas sim apenas a não divulgação do mesmo. O PageRank ainda continuará existindo, porém agora só o Google terá acesso a essa informação.

Sendo assim, se você pesquisar hoje mesmo uma calculadora de PageRank ou em qualquer outra ferramenta que exibe essa escala, o retorno da ferramenta provavelmente será zero, mas não siginifica que o PageRank seja realmente zero.

Conclusão

As ações que você fazia para impactar no PageRank e aumentá-lo continuam surtindo efeito.

Afinal, o que você quer realmente impactar não é o PageRank e sim o rankeamento do Google, e este, graças ao bom Deus, ainda continua sendo mais do que público para todos. Caso deseje, você pode conferir aqui mais notícias sobre esse assunto.

Marcadores:

Deixe seu comentário