Por que não vale a pena copiar o conteúdo de terceiros


copia de conteudo

Empresas que acompanham as boas práticas de marketing digital já sabem que produzir conteúdo é essencial para obter bons resultados online.

O problema é que essa tarefa não é muito fácil. É preciso conseguir tempo, ter boa escrita e conhecer bem o negócio e o mercado. É recomendado também algum conhecimento em SEO.

Como algumas empresas possuem recursos limitados, é comum que procurem por formas mais simples de resolver o problema. Por isso (re)publicar conteúdo de terceiros no blog tem aparecido como opção em muitos casos.

No entanto, nossa opinião é que não costuma valer a pena fazer isso. Explicamos aqui os motivos:

A sua empresa quer assumir a posição de autoridade, não delegar essa posição para terceiros

Um dos principais benefícios da produção de conteúdo é conquistar uma posição de autoridade e referência no mercado. Produzir conteúdo é mostrar o tempo todo o quanto você conhece do assunto, é dar mostras para o cliente em potencial que sua empresa tem um histórico na área, conhece os problemas dele e sabe como resolvê-los.

Esse fator é muito importante para gerar credibilidade antes da venda em si, principalmente para negócios B2B.

Já citamos esse exemplo em outro post, mas vale repetir aqui:

Se você dependesse de alguém para preparar um ótimo jantar, quem seria seu contratado: Jamie Oliver, que põe a mão na massa e conta seus segredos ou a Angélica, que leva convidados para prepararem um prato em seu programa?

Copiar conteúdo de terceiros pode prejudicar suas buscas orgânicas

Um blog deveria ser uma das principais formas de atrair visitas orgânicas para o site da sua empresa. Isso porque os diversos posts permitem explorar uma amplitude maior de palavras chave e a atratividade do conteúdo tende a atrair mais links.

Quando sua empresa somente copia o conteúdo de terceiros, no entanto, o blog passa a prejudicar mais que ajudar. Isso porque o Google, com o famoso Panda Update, começou a penalizar sites que copiam ao invés de criar conteúdo próprio.

Temos um post em que damos mais dicas sobre como criar conteúdo de qualidade para o Google.

Como publicar conteúdo de terceiros sem perder os benefícios citados

Se sua empresa viu o conteúdo de alguém que realmente chamou a atenção e mereça ser citado, há algumas formas de promovê-lo.

Uma delas é indicando o conteúdo nas contas da sua empresa em mídias sociais, como Twitter ou Facebook.

Já no próprio blog, existem duas boas possibilidades. Uma é citar o link no meio de um post quando o assunto for mencionado. Outra é, caso o tema seja de fato relevante, escrever um post sobre o outro post.

Nesse caso sua empresa pode usar o conteúdo da seguinte forma:

“Essa semana, a XYZ publicou um post muito interessante sobre ….
O que nos chamou a atenção foi ….
Apesar de nossa experiência de mercado indicar que isso era comum, não conhecíamos o número real….”

Perceba o quanto isso é diferente de uma simples cópia. Mesmo referenciando e se baseando no conteúdo de alguém, é um texto totalmente novo, que leva em conta a experiência própria e interpretação única da sua empresa. Há um ganho de valor.

É uma situação diferente daquilo que achamos que nunca deve ser feito: copiar o conteúdo completo e principalmente deixar de dar crédito para o autor.

 

Saiba mais:

eBook grátis - Blog para negócios

Software de Marketing Digital - RD Station


Categorias: Blog, Produção de conteúdo

  • http://www.facebook.com/flavioleonardvargas Flávio Leonard Vargas

    E por falar em produção de conteúdo, você é o cara!
    Você consegue falar mais do mesmo sempre apresentando novas e valiosas dicas.

    • http://twitter.com/andresiqueira André Siqueira

      Muito obrigado Flávio!

      É muito bom saber que estamos conseguindo ser práticos em nossas dicas e efetivamente ajudando nossos leitores.

      Valeu pelo comentário!

      Abcs,

      André Siqueira
      @andresiqueira

  • Carlos Saffi

    Muito apropriado seu artigo, agora que se discute relevância.
    Pensei em criar um site pessoal para tratar de um assunto profissional específico, que domino (o objetivo fazer do meu site um local de referência no assunto, e de carona me apresentar como expert, logo, uma vitrine).
    Contudo, só tenho tempo para poucos posts inéditos de minha autoria (um ou dois por mês).
    Daí pensei em “enriquecer” o conteúdo e o tráfego com citações de páginas de outros sites que abordam o mesmo tema.
    Não seria copiar posts, apenas citá-los: título + um parágrafo + link para o original.
    O parágrafo seria de umas 3 a 5 linhas extraídas do começo do post original.
    Daí eu poderia publicar uns 4 ou 5 por semana, só pra não deixar o site muitos dias sem atualização.
    Mas, agora que me informei sobre o Panda e li seu artigo fiquei na dúvida. Devo fazer as citações (e ter mais tráfego e atualizações) ou optar por priorizar apenas aquilo que só meu site tem (um número menor de posts, inéditos)?

    • http://twitter.com/andresiqueira André Siqueira

      Oi Carlos,

      Sua pergunta é muito boa e a decisão é realmente difícil.
      Eu não criaria um post indicando apenas uma página de outro site e um parágrafo.
      O que muitos sites fazem é um post com os “Links da semana”, o que é mais recomendado, já que não copia o paragráfo e há mais valor em uma lista de links do que em um único.

      Mas a nossa principal sugestão é conseguir um pouco mais de tempo para garantir um post próprio por semana. Costuma valer muito a pena!

      Um abraço

      André Siqueira
      Resultados Digitais

  • bgomesdias

    Sensacional, parabéns.

  • Ronaldony

     Publicar informações de outros sites no seu blog, não há problem nenhum para o Google Panda, mas é preciso dar o crédito de onde vc tirou as informações. É preciso deixar o link de origem ou da imagem e deixar o nome do autor. Google não penaliza vc por isso. Vc não pode colocar no seu blog todo o artigo de outros sites, mas colocar apenas um pequeno trecho e inserir o seu comentário, lembrando que vc não pode apagar o nome do autor do artigo e nem o link de quem vc está postando.
    Creio que vcs não ouviram falar ainda, mas o futuro dos blogs se chama agora Curation. Curation, é isso que eu citei acima. Houve muita controvérsia e ainda há um pouco, mas se sabe que isso beneficia o autor do blog que está sendo “copiado”. Além de gerar backlinks para o autor do artigo ou da imagem, a pessoa que publicou o artigo de outra pessoa, ajuda a divulgar o autor do artigo. Imagine, se eu várias pessoas colocarem um trecho desta página, em outros blogs, deixando o link deste blog. Com certeza, traria um número maior de visitantes para este blog. Curation é isso. Alías, já fazemos curation quando postamos um assunto de um jornal na midia social. Podem ter certeza, que várias pessoas fazendo isso, o número de visitantes para aquele jornal vai aumentar muito mais.
    Há um livro muito interessante chamado Curation Nation do autor Steven Rosenbaum. Vale a pena ler. É vendido no Amazon.

    • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

      Oi Ronaldo,

      Como você falou, o problema não é inserir um ou mais trechos e indicar a fonte, e sim copiar o artigo na íntegra. Falamos isso no post também. 

      Curação de conteúdo funciona bem sim, e é o que recomendamos para quem tem dificuldade em começar a produzir conteúdo. No entanto, não ajuda a empresa a criar uma posição de autoridade no mercado. Para isso é necessária a produção de conteúdo próprio relevante e de qualidade. 

      Abs,
      Eric

      • Ronaldo

         Oi  Eric.
        Verdade. Para empresas não é vantagem fazer curation. Apenas para blogueiros. Tem 3 websites famosos nos EUA que fazem curation. Inclusive um deles foi vendido para uma empresa por alguns milhões de dollares.

        Abs.

        Ronaldo

        • Rafael

          Olá Ronaldon,
          Fiquei muito interessado em Curation e também no livro que você indicou. Se você tiver um link de afiliado inclusive, pode mandar :D. Me ficou a curiosidade, quais seriam esses 3 sites?

  • Pingback: Curadoria de conteúdo: por que as empresas devem (ou não) fazer