Blog de Marketing Digital de Resultados

RDicas #08 – Sitemap: o que você precisa saber

Em mais um vídeo do RDicas, falamos sobre Sitemaps. Entenda por que é importante ter um em seu site e conheça 4 boas práticas de Sitemaps para SEO. Assista!

Você sabe o que é um Sitemap e por que é tão importante que o seu site tenha um?

No oitavo vídeo do RDicas, Aluysio Ferreira, consultor em SEO da Resultados Digitais, explica o conceito de Sitemap, quais formatos e tipos de Sitemaps podem ser utilizados, e também conta 4 boas práticas para você tirar o máximo proveito dessas técnicas em seu site.

Assista abaixo:

Confira aqui os outros posts do RDicas, nossa série de vídeos curtos sobre SEO.

Sitemap é um assunto importantíssimo para SEO. Se você ainda não conhece sua função ou ainda não implantou um em seu site, é bom seguir essas dicas.

Antes de começar, vamos entender de uma maneira geral o que é e para que serve um Sitemap.

O que é Sitemap

Sitemap nada mais é do que um arquivo onde você lista algumas URLs de seu site. É onde são listadas aquelas ulrs que você gostaria que o Google passasse por elas, indexasse e armazenasse em seu servidor. É um arquivo que você criar e depois hospeda em seu servidor para se comunicar com o Google. Uma espécie de ponte.

Quando você faz um Sitemap, a intenção é, no fim das contas, tornar o site mais tangível para o Google. O intuito é que ele consiga entender a estrutura existente dentro de seu site, para que ele vasculhe seu conteúdo com mais eficácia.

Entendendo melhor como está estruturado seu site e quais URLs preferencialmente devem ser indexadas pelo robô de busca, você cria uma comunicação mais eficiente com o Google, e dá preferência para que ele priorize as páginas que estão listadas dentro desse arquivo.

Qual é o formato / extensão de um Sitemap?

É importante falar sobre esse assunto antes de seguir discutindo sobre o tema. Quando você finaliza um Sitemap, em qual formato esse arquivo deve ser salvo?

Há uma confusão, e muitas pessoas pensam que só existe um formato de Sitemap, quando na verdade há outra opções também. O mais comum é realmente o formato XML, mas vamos começar falando de outras opções.

TXT

Um Sitemap TXT é o mais básico e, muito provavelmente, você não vai precisar de programador ou aplicativo algum para criar esse modelo de Sitemap.

Tudo o que você precisa fazer nessa opção é simplesmente listar todas as URLs de seu site que você gostaria de comunicar para o Google para que ele acesse, visualize e faça a indexação em seu servidor.

Simples assim, a única escolha que você tem que fazer é, na hora de salvar esse arquivo, escolher um formato TXT.

Atom-RSS

Um outro tipo de formato de Sitemap é o feed de seu site. Isso é muito comum em blogs, em que você pode usar o link do próprio feed de notícias como se fosse um Sitemap.

Porém, não é recomendado que essa seja a única opção de Sitemap em seu site. O feed de notícias comunica somente as postagens mais recentes. Então, é interessante que você tenha um Sitemap completo e que liste toda a estrutura de seu site, não somente as novas atualizações.

XML

Por fim, o formato mais famoso de todos, o Sitemap XML. Nessa opção, você consegue, além de lsitar a URL que você gostaria que o Google visitasse, colocar algumas informações a mais como: data de modicação das URLs e prioridade de uma página frente às outras.

Se você não sabe criar manualmente um XML, há várias ferramentas – gratuitas e pagas – que fazem isso de forma rápida e dinâmica, como o XML-Sitemaps.com.

Essas são apenas duas razões pelas quais fazem o XML não só o formato mais conhecido e utilizado como também a opção mais eficiente.

Tipos de Sitemaps

Chegando aqui, está na hora de ir mais a fundo ainda no assunto. É bom entender que não existe um só tipo de Sitemap. Muitas pessoas não sabem, mas não existe um único tipo de Sitemap padrão onde você apenas joga as urls em um arquivo.

Dependendo do foco de seu negócio ou de seu site, você vai precisar que seu Sitemap seja mais específico. Temos aqui 3 outros tipos de Sitemaps. Vamos lá:

1 – Notícias

Se o seu site é um portal de notícias e você quer aparecer na busca do Google News é muito importante que você tenha um Sitemap de notícias.

A título de curiosidade, para aparecer no Google News, você precisa primeiro se cadastrar no Google News Publisher Center e depois ter um Sitemap de notícias atualizado.

Fazendo isso, facilita muito na hora de o Google puxar esses dados para os resultados da Google News.

A própria ajuda do Google ensina com mais profundidade a fazer um Sitemap de notícias.

2 – Vídeos

O Google também tem um busca que é só sobre vídeos. E se você quer aparecer lá com conteúdo de vídeo, é muito importante que você tenha esse Sitemap de vídeo para ajudar o Google a entender aquele conteúdo e indexá-lo.

Um outro benefício muito grande em um Sitemap de vídeo é que ele tem que ser feito em XML. Dessa forma, você consegue passar informações adicionais ao Google, como a thumbnail, a descrição e o tempo de duração do vídeo.

Uma dica especial pra quem tem ecommerce: Sabemos que um vídeo em uma página de produto aumenta a taxa de conversão. Então, se você já usa vídeo na página de produto, considere montar um Sitemap para se beneficiar também em SEO. Isso tende a aumentar a taxa de cliques nos resultados de busca.

3 – Imagens

Por fim, Sitemaps de imagem, que são recomendados principalmente para sites que trabalham com fotografia ou alto volume de imagens

Esse tipo de Sitemap é importantíssimo para garantir que as imagens de seu site sejam bem indexadas, e que apareçam nos resultados de busca de imagens do Google.

Algumas boas práticas sobre Sitemap

1 – Divida seu Sitemap

Crie não só um Sitemap, mas vários arquivos. Faça Sitemaps por categorias de seu site. Isso vai ajudar muito a entender onde existem problemas de indexação em seu site.

Adiante, vamos ver como comunicar ao Google que existe um Sitemap. Mas quando existe esse tipo de trabalho, de divisão de Sitemap, você consegue identificar problemas em meu site, e é bem importante que se faça isso.

2- Crie um index

Caso você crie mais de um Sitemap, você não precisa comunicar que existem, por exemplo, 100 Sitemaps criados.

Você pode criar um único arquivo de Sitemap, que é um índice que indica onde estão os outros Sitemaps.

A ajuda do Google tem um tópico específico para ensinar você a criar um Sitemap de índice.

3 – Menos de 10mb e de 50 mil URLs.

Se você trabalhou bem as duas boas práticas acima, não precisa se preocupar com esses dois detalhes.

Mas é importante ressaltar que o Google não consegue trabalhar com Sitemaps que possuem mais de 10mb de tamanho ou mais de 50 mil URLs inseridas.

4 – URLs canônicas

Por fim, uma última boa prática é trabalhar sempre com uma URL canônica.

Se o seu site tem, por exemplo, uma versão sem www e uma com www, e uma das versões direciona para a outra, liste em seu Sitemap somente a versão final.

Se a versão escolhida para o usuário ser redirecionado é com www, seu Sitemap tem que ser essa versão. Sempre tome esse cuidado.

Criei meu Sitemap. O que eu faço agora?

Para completar a tarefa, você precisa primeiro subir o seu Sitemap em seu servidor. Feito isso, você acessa o Google Search Console, faz o reconhecimento da propriedade de seu domínio e, lá mesmo, adiciona seu Sitemap para que o Google tome conhecimento de sua existência.

O legal é que quando você sobe seu Sitemap no Search Console, você pode saber quais das URLs enviadas foram indexadas. E é nesse ponto que podemos identificar problemas ou gargalos de indexação em seu site.

Uma outra dica é sinalizar onde o seu Sitemap está hospedado em seu servidor em um arquivo robots.txt. Coloque um link para seu arquivo de Sitemap dentro desse outro arquivo.

Para saber mais de SEO, não deixe de baixar gratuitamente nosso eBook “O Guia completo do SEO em 2015 e além”. Há um capítulo apenas sobre Sitemaps lá, caso você queira se aprofundar ainda mais no assunto.

Marcadores:

Deixe seu comentário