Blog de Marketing Digital de Resultados

O que são anúncios dinâmicos no Facebook e no Google

Os anúncios dinâmicos de Facebook Ads e Google Ads podem trazer resultados muito relevantes para quem vende muitos produtos e serviços online

Em vez de ler, que tal ouvir o post? Experimente no player abaixo:

 

 

Na hora de criar anúncios no Google e no Facebook toda ajuda é bem-vinda, não é mesmo? Quem trabalha com mídia paga tem que estar sempre de olho no desempenho dos ads, buscando otimizá-los o tempo todo. Além disso, novas demandas não param de chegar.

Essa situação fica ainda mais exigente para quem trabalha com vendas de produtos ou serviços online. Se esse é o seu caso, sabe que os anúncios dinâmicos facilitam a sua vida, agrupando muitos ads sob uma única configuração.

Se você ainda não sabe o que são anúncios dinâmicos no Facebook e no Google, e o que eles podem fazer por você e pela sua empresa, continue lendo este post!



Assista nossos webinars sobre Mídia Paga

Aprenda a atrair mais oportunidades de negócio e vendas com canais pagos como Facebook Ads, Google Ads, Native Ads e outros modelos de anúncio

Anúncio dinâmicos no Google Ads

Antes de mais nada, caso você ainda não saiba, o Google AdWords agora se chama Google Ads. É bom avisar, também, que os anúncios dinâmicos não são indicados para sites que mudam constantemente, fazendo ofertas diárias, por exemplo – quem diz isso é o próprio Google.

Pense no seguinte: você tem um inventário grande de produtos ou serviços, o que demanda uma quantidade também grande de segmentações e palavras-chave. Leve em conta, também, a atenção com o estoque e as eventuais entradas de novidades que a empresa quer vender (e anunciar).

Mesmo um negócio super bem estruturado pode acabar perdendo algumas pesquisas relevantes, certo? É aí que fica interessante fazer anúncios dinâmicos. Você pode deixar o Google usar todo o índice do seu site para gerar ads automaticamente e, caso você o atualize, será rastreado novamente para que a versão mais recente seja usada.

Como funciona?

O Google pede que o seu site tenha algumas características como pré-requisitos para que a configuração funcione corretamente. Basicamente, são as mesmas sugestões feitas para que a plataforma Google Ads seja aproveitada ao máximo.

Observados esses itens, você pode decidir se quer que o seu site todo gere anúncios dinâmicos, como citamos acima, ou se quer especificar alguns segmentos. Isso pode ser feito delimitando páginas que tenham palavras específicas, seja nos títulos, URLs ou mesmo no corpo.

Outra coisa legal que dá pra fazer é excluir dos anúncios dinâmicos páginas que tenham “esgotado” ou “indisponível” no texto. Assim, você não joga dinheiro fora levando um (ex-)cliente para uma furada.

A segmentação também pode ser bem refinada, usando uma planilha de URLs. Tudo vai depender do seu tipo de negócio, mas o Google não indica que você use poucas páginas nessa modalidade – o tráfego incremental não será representativo.

Para saber como construir os seus anúncios dinâmicos na rede de pesquisa, siga o guia passo-a-passo disponibilizado pelo Google.

Mas vale a pena mesmo?

Não se trata de dizer que você não vai mais ter trabalho nenhum com anúncios, definitivamente não é isso. Só que, de fato, há uma economia de tempo no mapeamento de palavras-chave e lances para cada produto, por exemplo. Há, também, a questão da geração de títulos automáticos relevantes tanto para sua empresa quanto para o usuário.

É importante ressaltar que você mantém controle total sobre seu orçamento, como em qualquer campanha bem calibrada do Google Ads. Sugerimos que você experimente alguns anúncios de produtos e analise os resultados.

O importante é testar, testar e testar. Só assim você vai chegar à conclusão se é uma boa forma de aumentar as suas vendas.

Anúncios dinâmicos no Facebook

A lógica por trás dos anúncios dinâmicos do Facebook é a mesma que a do Google: economizar tempo e otimizar o seu orçamento, atingindo mais pessoas. As diferenças ficam por conta das particularidades das plataformas – enquanto o Facebook é uma rede social, o Google trabalha com pesquisas.

Ou seja, o Facebook Ads vai trabalhar com uma sistemática puxada para quem já demonstrou algum interesse na sua empresa, produto ou serviço. Ele vai fazer isso através do pixel instalado no seu site ou no SDK no seu aplicativo.

Como funciona?

A primeira coisa a ser feita é criar um catálogo de produtos no Facebook. Lembre-se que você não precisa “transferir” todo o seu inventário, bastando apenas aqueles que quer anunciar. Vale a pena até testar com alguns no começo, analisar a eficiência e, se for o caso, aumentar os produtos ou serviços que você vai ofertar.

É a partir dessa lista que você vai configurar os anúncios dinâmicos. Eles podem ser feitos em vários formatos: imagem única, coleção ou o popular anúncio de carrossel do Facebook. Seja qual for, ele vai usar as informações que você disponibilizar de cada um dos itens, encaixando-as no modelo de ad que você criou para aquele catálogo.

Existem boas práticas recomendadas pelo Facebook para que você atinja melhores resultados com seus anúncios dinâmicos. Recomendamos dar uma boa olhada neste post para que você avalie o que pode aplicar no seu site.

Mas vale a pena mesmo?

Uma das facetas mais interessantes do Facebook é a capacidade de aprofundar uma oferta a quem já demonstrou interesse no seu site. Isso facilita o trabalho de fidelização, mas também de recuperar um Lead que não executou uma ação que você desejava, seja ela uma conversão ou mesmo uma compra.

Com os anúncios dinâmicos, as possibilidades aumentam, já que a sua empresa pode trabalhar produtos ou serviços individualmente. Essa personalização aumenta as suas chances de conversão, justificando o investimento na ferramenta.

E tem outro negócio bem bacana: a configuração para um público amplo. Com ela, seus anúncios dinâmicos atingem pessoas que já demonstraram interesse por produtos ou serviços semelhantes aos seus.

É possível, ainda, excluir públicos que não são mais de seu interesse, otimizando o seu dinheiro. Dá para fazer com que quem já comprou algo da sua empresa, não seja incluído em segmentações, por exemplo.

Como você pode ver, dá para fazer muita coisa interessante com essa modalidade de ads. Mais uma vez, vale a pena testar e avaliar se os resultados são relevantes para o seu negócio. Além disso, só experimentando é que você vai encontrar os formatos e investimentos ideais.

Se você quer aprender mais sobre o que seu negócio tem a ganhar com investimento em Facebook Ads e Google Ads, inscreva-se gratuitamente para assistir aos webinars da Semana da Mídia Paga!



Assista nossos webinars sobre Mídia Paga

Aprenda a atrair mais oportunidades de negócio e vendas com canais pagos como Facebook Ads, Google Ads, Native Ads e outros modelos de anúncio

Marcadores:

Deixe seu comentário