Blog de Marketing Digital de Resultados

Certificado SSL: 6 razões para usar no seu site

Mais do que permitir que você tenha um site seguro, usar SSL oferece muitos outros benefícios, como um favorecimento no ranking de buscas do Google e uma melhor análise do tráfego do seu site.

O certificado SSL torna o seu site mais seguro para seus clientes através da criptografia. Além de provar que o site é autêntico e confiável, o certificado SSL ajuda a melhorar o posicionamento do site nos mecanismos de busca, já que a segurança é um fator de classificação do Google.


O certificado SSL (Secure Socket Layer) permite que você tenha um site seguro para oferecer aos seus clientes. Ao utilizar esse recurso, sinais visuais expressam claramente ao usuário que o seu site é autêntico e confiável. Mais do que isso, o uso desse recurso oferece benefícios práticos, como um favorecimento no ranking de buscas do Google e uma melhor análise do tráfego do seu site.

Você pode estar se perguntando: como o SSL funciona?. Toda essa segurança acontece graças à criptografia, uma técnica antiga para codificar mensagens que vem sendo aprimorada a cada dia através de um processo que envolve chaves (uma pública e outra privada) para codificar e decodificar o significado dos dados. A criptografia é única para cada par de chaves, e a informação criptografada com a chave pública é acessível somente para quem tem a chave privada correspondente e vice-versa.

usar ssl no site

É claro que no caso de sites ou aplicativos que administram dados sensíveis, como números relacionados a cartões de crédito ou documentos, o uso do certificado SSL não só é importante como vital. Graças a esse recurso, é possível ter certeza de que os dados trocados não serão interceptados no meio do caminho. Porém, nesse artigo você verá que existem benefícios inclusive para sites que não são lojas online e não dependem diretamente da troca de dados sensíveis.

6 motivos para ativar o certificado SSL

Oferecer segurança de dados

Como citado acima, esse é o motivo principal pelo qual o certificado costuma ser ativado. Além da já citada proteção à troca de dados, o SSL ajuda a evitar a prática de phishing. Esse cybercrime acontece quando hackers enviam emails a clientes de determinada empresa imitando comunicações oficiais. Existem duas possíveis formas de ataque: criminosos podem incluir um link no email para seus próprios websites (tentando passar-se pelo oficial) ou podem utilizar o próprio site da empresa oficial como meio para copiar as informações trocadas durante a transação (com um criminoso acompanhando a comunicação). Nos dois casos citados, o SSL pode proteger tanto o cliente quanto a empresa atacada.

Aumentar a relação de confiança

Muitos usuários da web já sabem a importância do SSL; mesmo não o conhecendo pelo nome, muitas pessoas conseguem reconhecer os sinais visuais de um site seguro. Os sinais são vários: o seu endereço web utiliza um “s” a mais no início, passando de http para https. Além disso, quem estiver navegando pode identificar outros sinais, como o símbolo de um cadeado, a cor verde na barra de endereços e um selo de site seguro. Esses sinais comunicam respeito à privacidade e cuidado com os dados de navegação de quem visita seu site, promovendo confiança e estreitando laços com seu público.

usar ssl no site

Oferecer opção de pagamento com cartão de crédito

Se você tem um negócio cuja forma de pagamento é online, o SSL é recurso indispensável para que você consiga oferecer mais opções de pagamento aos seus clientes. De acordo com uma pesquisa divulgada pela Paypal, mais de 80% dos usuários utilizam cartões de crédito para pagar suas compras online com segurança. Além de o uso do cartão de crédito proporcionar acesso a pagamento parcelado e sem juros, existe uma segurança inerente associada ao seu uso. Porém, a maioria das operadoras de crédito solicitam o certificado SSL instalado no site para que seja possível integrar seus sistemas e oferecer esse método.

Otimizar SEO

São muitos os fatores de ranqueamento que aparecem no algoritmo do Google.  Desde 2014, o SSL foi anunciado como um dos sinais que beneficiam o posicionamento dos sites. Esse anúncio oficial veio com a promessa da expansão desse fator ao longo do tempo, com a explicação de que naquele momento seria um benefício leve “ganhando um peso menor do que outros fatores, como a qualidade do conteúdo”. Para ter seu site com SSL aparecendo nas buscas, é bem importante tomar certos cuidados, como não bloquear seu site da indexação através do arquivo robots.txt e permitir a indexação de páginas sempre que possível, evitando a tag noindex no seu código.

eBook O Guia Completo do SEO

Tudo o que você precisa saber para ficar na primeira página do Google e atrair mais visitantes qualificados

Dados Analytics mais apurados

Sites que não usam https perdem dados sobre o tráfego que recebem. Se um site que utiliza navegação segura usa um link de referência para um site não seguro, as ferramentas de análise (como o Google Analytics) irão mostrá-lo como um acesso direto, ou seja, como se alguém tivesse digitado o site na barra de endereços. Isso acontece porque sites http não podem receber dados de referência a partir de sites https. Felizmente, o contrário não é verdade. Se você tem um site que utiliza certificado SSL, você será capaz de ver esses dados de referência, não importando se os visitantes vêm de um site seguro ou não.

A instalação é fácil e gratuita

O uso do SSL foi democratizado graças a uma iniciativa chamada Let’s Encrypt. Esse movimento promove o certificado SSL gratuito e open source, sendo utilizado por 3,8 milhões de sites em todo mundo e apoiado por empresas como Mozilla, Facebook e Cisco. Além de gratuito, a KingHost, empresa de hospedagem brasileira, integrou a sua instalação ao painel de controle, inclusive para clientes da hospedagem compartilhada. Sendo assim, o uso do SSL, que antes era associado a custos com implementação e manutenção, hoje está facilmente acessível.

Características do Let’s Encrypt:

  • Um software livre que pode ser instalado em todos os domínios;
  • Instalação facilitada via painel de controle;
  • Renovação automática;
  • Utiliza altos padrões de segurança em sua criptografia;
  • Funciona sem a necessidade de IP dedicado;
  • É compatível com os principais navegadores do mercado.

O uso adequado de tecnologias de segurança pode fortalecer a confiança de seus clientes em sua marca. Entre outras razões práticas, o uso do certificado SSL certamente ganhou espaço e foi impulsionado graças ao projeto Let’s Encrypt. Não perca a oportunidade de utilizar um serviço gratuito e com muitas vantagens que podem ser utilizadas em favor do seu negócio. Para quem possui site em WordPress, visando otimização e resultados, existe um plano especial em que o SSL já vem ativado junto ao plano de hospedagem.

Dicas de segurança para sites e os benefícios de zelar por cada medida

1. Elabore um planejamento de segurança

Todo planejamento de segurança precisa avaliar:

  • A estrutura de seu website: ou seja, se ele é um blog, ecommerce, site institucional etc.; se possui ambiente logado; se recebe dados sensíveis de usuários em algum tipo de formulário de cadastro ou carrinho de compras;
  • Ameaças e riscos: ainda não se trata de uma avaliação profissional das vulnerabilidades, mas, para o planejamento, cabe entender o tamanho e visibilidade de seu site e quais danos poderia sofrer se houvesse uma situação de ataque. Além de danos estruturais, cabe compreender também se as vendas seriam prejudicadas e se a reputação da marca fosse impactada;
  • Definição de regras e ações práticas para proteger o site: quais as regras de uso do site, quem terá acesso e quais serão as concessões de acesso para cada usuário. Além disso, é preciso avaliar a contratação de serviços de segurança para identificar e corrigir vulnerabilidades de segurança e manter uma proteção ativa.

O planejamento de segurança é uma forma de entender qual a sua realidade, perfil de negócio e dependência do site para a sobrevivência da empresa. Essa visão contribui na hora de definir o budget dedicado à proteção do site.

Para facilitar o entendimento, imagine que o planejamento seja feito por um grande ecommerce com muito tráfego.

É nítido que a loja virtual tem muito a perder caso a segurança seja comprometida, pois o site é essencial para que novas vendas sejam geradas.

Além disso, a loja transaciona pagamentos e dados sensíveis de clientes, que teriam grandes prejuízos em casos de vazamentos. O reconhecimento da marca pelo público também acarretaria em grandes danos à reputação.

Por outro lado, um blog pequeno, sem ambiente logado e com poucas visitas teria menor impacto com uma invasão e, por isso, poderia investir em pacotes mais básicos de segurança.

Pelo exemplo, faz sentido que o ecommerce invista mais em segurança, evitando todas as brechas possíveis e mantendo ao menos uma proteção em tempo real, já que eventuais ataques causariam danos muito graves.

2. Tenha um firewall de segurança

O WAF é um firewall de aplicação web que protege os servidores do site, filtrando as entradas do cliente e saídas do servidor para registrar tentativas de ataque ao site e bloqueá-las.

firewall de segurança aprende tanto a estrutura de seu site como o comportamento do usuário que costuma visitá-lo. Por isso, consegue identificar quando você recebe algum tráfego suspeito, vindo de fontes maliciosas, e assim bloqueia ataques de bots e hackers, antes que eles ocorram e causem danos ao site.

Uma vantagem adicional é que, com o trabalho de diminuir tráfegos suspeitos, o WAF também tende a melhorar a velocidade de navegação no site. E isso é algo benéfico tanto para a usabilidade do usuário como para melhorar o posicionamento de seu site no Google, já que a velocidade é um critério de ranqueamento.

3. Execute testes para identificar vulnerabilidades

Existem testes manuais e automatizados para checar a segurança de seu site e identificar vulnerabilidades que possam comprometê-la.

Um desses testes é a blindagem de sites, que audita endereços web semanalmente, procurando por brechas e gerando um relatório de correções.

Os sites que executam as correções recebem o direito de utilizar o selo Site Blindado, que certifica endereços que fazem esse tipo de verificação.

Outro teste, este feito de forma manual, é o Pentest. Nessa verificação é feita uma simulação de invasão ao site para entender quais as brechas que um atacante encontraria e exploraria no site.

A intenção é que o Pentester, profissional que simula o processo, gere um relatório sinalizando todos os problemas que precisam ser corrigidos no site, fortalecendo sua estrutura de programação e configuração.

O Pentest pode simular dois cenários: um deles caso o ataque fosse feito por alguém que tem acesso a informações privilegiadas e o outro por alguém que não possui qualquer dado da empresa.

4. Mantenha certificados e serviços de segurança atualizados

É importante ter em mente que a segurança para sites é um trabalho contínuo, já que novas vulnerabilidades e ameaças podem surgir a qualquer momento.

Um certificado SSL desatualizado, por exemplo, significa que naquele momento o site está sem proteção, por isso é importante renová-lo sempre e garantir que o cliente ou visitante não tenha problemas na hora do acesso.

Quando renovar a segurança do ecommerce?

  • SSL: a cada 1, 2 ou 3 anos, conforme o tempo de contratação
  • Blindagem de sites e WAF: todo ano
  • Pentest: o ideal é que seja refeito a cada 6 meses

E mais!

Procure sempre um bom fornecedor de segurança digital para te ajudar em cada etapa.

Empresas especializadas podem guiá-lo em seu planejamento de segurança e executar todos os serviços necessários para proteger o site.

Jamais arrisque escolher empresas desconhecidas ou com baixa reputação. É a proteção de seu site e de seus clientes que está em jogo.

Zele por seu negócio e pelos usuários do seu site, pois a segurança ajuda a manter o bom relacionamento com seus visitantes, a trazer novos clientes e a posicionar melhor suas páginas no Google.

 

Marcadores:

Deixe seu comentário

Comentários

Um comentário

  1. Spidey

    Ótimo artigo. A única coisa que tenho a dizer contra é que pelo menos eu não consegui, ainda, fazer essa renovação automática pelo Let’s Encrypt. De três em três meses, tenho que acessar o sslforfree.com e renovar manualmente, criando novamente os arquivos de checagem, upando eles para o servidor e então criando novamente as chaves. Não sei se é pelo fato de eu estar usando o sslforfree. Talvez, diretamente pelo site do Let’s Encrypt, seja possível mas quando tentei gerar as chaves por lá, achei muito complicado e confuso.