O que é Learning Agility? Entenda o conceito e sua importância

Learning Agility é um conjunto de práticas e comportamentos que favorecem o aprendizado rápido muito utilizado por áreas de RH, mas que vem crescendo como ferramenta de gestão


Organizações de todos os setores e tamanhos precisam lidar com duas questões cada vez mais complexas, como encontrar profissionais capacitados e adaptar-se às mudanças constantes. O Learning Agility, conceito fundamental para as empresas que desejam prosperar nesse cenário, oferece uma resposta para ambas.

Nesse artigo você irá aprender o que é Learning Agility, quais as suas vantagens e como preparar uma organização e seus colaboradores para tirar o melhor proveito delas.

O que é Learning Agility?

O Learning Agility pode ser descrito como um conjunto de práticas e comportamentos que favorecem o aprendizado rápido. O conceito é mais utilizado na área de Recursos Humanos, orientando processos seletivos, mas está ganhando peso como uma ferramenta de gestão.

Não se trata de um um conceito novo, mas foi preciso investir anos em pesquisas para mostrar que ele não só existe, como pode ser mensurado. O principal responsável por esse avanço foi o professor Warner Burke, que passou 4 décadas estudando o assunto. Em seu trabalho mais conhecido, ele acompanhou centenas de executivos por 5 anos, para descobrir quais traços de comportamento e personalidade definem o Learning Agility.

Burke apresentou um conjunto de 9 características, os pilares do Learning Agility, que foram reafirmados em diversas pesquisas sobre o tema. Veja a seguir quais são essas características.

Os 9 pilares do Learning Agility

Os traços apontados como variáveis ligadas ao Learning Agility são os seguintes:

1. Flexibilidade

Estar aberto a novas possibilidades e formas diferentes de solucionar um problema, é uma das características positivas apontadas nesse processo.

2. Agilidade

Testar rapidamente as ideias, no campo da prática, e aprender com seus resultados, ao invés de se perder em considerações que nunca terminam. Não espere a perfeição para lançar uma ideia, faça um MVP se for preciso, mas traga para o campo prático o quanto antes.

3. Experimentação

Aplicar novos conhecimentos para descobrir seus resultados, mesmo quando não tem certeza absoluta sobre o que irá acontecer.

4. Tomada de risco em performance

Desafiar suas capacidades em novas áreas, assumindo tarefas e funções para as quais não está totalmente preparado e compreendendo a prática como uma chance de aprendizado.

5. Tomada de risco interpessoal

Confrontar as pessoas sobre suas ideias, discutindo os pontos fortes e as possíveis falhas em cada linha de pensamento, seja para aprender algo novo ou para complementar as lacunas em seu raciocínio atual.

6. Colaboração

Participar em trabalhos com outras pessoas permite acompanhar seu funcionamento na prática, aprendendo novos modos de pensar e fazer, além de contribuir com novas ideias e experiências.

7. Coleta de informações

Desenvolver o Learning Agility exige uma procura ativa por novas informações. Não basta adaptar-se aos conhecimentos que chegam, é preciso aventurar-se em busca deles.

8. Busca de feedback

Utilizar avaliações externas para obter novas percepções sobre seu próprio trabalho, melhorando os pontos necessários e desenvolvendo soft skills para se tornar um profissional ainda melhor.

9. Reflexão

Sair da repetição constante para considerar o valor de suas práticas, reconhecendo quando uma delas gera bons resultados, para que seja mantida ou aperfeiçoada, e quando pode ser substituída por um novo método.

learning agility

Qual é a importância do Learning Agility?

Já afirmamos que o Learning Agility soluciona problemas na contratação de talentos e na adaptação ao estado de mudança permanente, no qual a maior parte dos mercados se encontra hoje. Numa análise mais profunda, podemos apontar estes efeitos de uma forma concreta:

Promover a Gestão da Inovação

Se as coisas vão mudar, é melhor conduzir as transformações. A Gestão da Inovação é a ferramenta para lidar com esse processo, selecionando as melhores ideias para criar projetos e garantir sua execução.

Conforme novas habilidades precisam ser desenvolvidas ao longo do percurso, o Learning Agility entra em cena, permitindo que suas equipes possam adaptar-se às exigências e manter o ritmo da inovação.

Motivação dos colaboradores

Com uma força de trabalho cada vez mais influenciada pelas gerações Y e Z, é preciso reconhecer e aplicar metodologias capazes de motivar estes grupos a partir de seus próprios interesses.

O aprendizado tem lugar de destaque nessa lista, e nada melhor do que um ambiente favorável ao Learning Agility para manter estes colaboradores engajados com o trabalho.

A questão ganha ainda mais importância se considerarmos que essas gerações demonstram menor comprometimento com a organização onde trabalham. Dessa forma, as empresas devem criar as condições para reter seus talentos.

Onde usar o Learning Agility?

De forma resumida, o Learning Agility pode ser usado nas áreas em que um profissional deve ser capacitado ou selecionado para cumprir determinadas funções.

Recrutamento

Avaliações sobre os pilares do Learning Agility podem ser incluídas no seu processo de recrutamento, através de tarefas que determinam se o candidato demonstra agilidade, tomada de risco interpessoal ou reflexão, por exemplo.

Pesquisas seguindo o trabalho de Warner Burke mostram que flexibilidade e agilidade são elementos fundamentais, possibilitando inclusive desenvolver os outros pilares do Learning Agility. Você pode começar as avaliações com base nesses critérios.

Treinamentos

Implementar programas de Learning Agility é uma estratégia para obter excelentes resultados nos demais treinamentos realizados pela organização. Isso garante que o dinheiro investido em cursos, ferramentas e consultores produzirá melhorias concretas nos profissionais.

Formação de equipes

Muitas organizações utilizam o modelo de squads, equipes formadas para atuar num determinado projeto por algumas semanas ou meses. Essa dinâmica pode gerar um ritmo acelerado de inovação, desde que os times possuam ao menos alguns indivíduos com habilidades de Learning Agility.

Formação de lideranças e sucessão

Os líderes de uma companhia podem buscar uma nova organização, aposentar-se ou afastar-se para lidar com questões pessoais. Seja qual for o caso, é fundamental ter um planejamento de sucessão bem definido, apontando profissionais qualificados para assumir rapidamente os cargos de importância estratégica.

Colaboradores com boas pontuações nas habilidades de Learning Agility são candidatos naturais para essas vagas. Isso porque conseguem acumular conhecimentos enquanto se preparam e adaptar-se rapidamente quando assumem a posição.

4 dicas para implementar a cultura do Learning Agility na sua organização

Recrutar colaboradores que demonstram boa capacidade para o Learning Agility é sempre positivo, mas capacitar o seu quadro profissional é o que irá garantir a difusão dos benefícios gerados por esse conceito.

1. Incentive o intraempreendedorismo

Permitir que os colaboradores possam iniciar e manter projetos em suas próprias áreas de atuação garante oportunidades práticas para desenvolver o Learning Agility, e ainda promove melhorias constantes para a organização, fazendo do intraempreendedorismo um pilar central nessa estratégia.

2. Recompense o desenvolvimento

Profissionais que demonstram evolução podem ser recompensados, mesmo que ainda não tenham alcançado uma meta específica. Muitas vezes um feedback positivo, o reconhecimento público e até mesmo atribuição de uma nova responsabilidade são formas de recompensa que mantêm sua motivação elevada para continuar se desenvolvendo.

3. Reconheça o valor dos diferentes pilares

Não é por ter a flexibilidade ou poder de reflexão como um de seus próprios atributos, que todos os colaboradores devem ser escolhidos ou avaliados a partir dele. Reconheça o valor de cada habilidade, evitando definir um ou outro aspecto do Learning Agility como superior.

4. Lidere as transformações

Quem deseja espalhar o Learning Agility por sua organização não pode apenas entregar uma lista de tarefas para seus times: é preciso abraçar a causa. Implementar novos modos de organização; como os já citados squads; é um exemplo de como transformar a cultura da empresa, a partir das suas posições mais centrais.

Como desenvolver o Learning Agility?

Se a organização é responsável por estimular seus profissionais, estes também devem ser ativos na busca de meios para dominar o Learning Agility. O mais importante é ter uma mentalidade voltada para a inovação, procurando novas formas de cumprir seus objetivos.

A partir daí, o foco deve estar direcionado para os estudos e práticas que possam desenvolver os 9 pilares do Learning Agility, lançando-se em ambientes desafiadores, buscando aprender com outras pessoas através da observação e dos feedbacks e refletindo sobre o desenvolvimento das suas ações.

Para começar, encontre o seu ponto forte! 

Seja para conduzir uma organização ou para avançar na carreira, fortalecer as habilidades de Learning Agility é a chave para se posicionar em lugar de destaque durante a transformação pela qual os mercados vão continuar passando.

Uma boa forma de começar é encontrar o seu ponto forte (ou o dos membros da sua equipe) e construir os outros pilares a partir dele. Se você tem uma boa capacidade para a colaboração ou a coleta de informações, por exemplo, use isso a seu favor, descobrindo como ela pode favorecer o aprendizado de outras práticas ligadas ao Learning Agility!

rdu rduniversity

Deixe seu comentário

Comentários