Blog de Marketing Digital de Resultados

Da busca pela informação ao relacionamento contínuo: o que o Inbound pode fazer pelo seu negócio

No cenário atual, estar ou não estar nos resultados de pesquisa do Google e outros buscadores não parece opção, mas obrigação. Mas e depois, o que fazer quando o usuário entra em seu site?

“A maioria dos usuários de internet prefere mecanismos de busca para encontrar produtos locais”, afirma um artigo da eMarketer, renomada consultoria de Marketing Digital com sede em Nova Iorque e Londres.

Atendendo marcas como a tradicional Mercedes-Benz, o lúdico Spotify, a icônica General Electric e o insaciável McDonald’s, dentre outros emblemáticos símbolos de excelência em negócios, a empresa afirma que essa tendência tem aumentado ano a ano.

Deixando para trás fontes confiáveis como a família, os amigos, os vídeos online e os clássicos jornais e revistas, são buscadores como Google, Bing e Yahoo! que recebem a todo instante centenas de milhares de pessoas ávidas por informação, conteúdo e soluções para seus problemas pessoais e profissionais.

Nesse contexto, estar ou não estar lá já não parece opção, mas obrigação. E será que somente um site, uma fanpage no Facebook e um perfil no Twitter com informações sobre os produtos, serviços e história da empresa são suficientes para competir pela atenção desses potenciais clientes? Certamente não.

Ainda que um website bem pensado e a presença nas principais mídias sociais digitais (nas quais transitam os potenciais clientes das empresas) sejam necessários, é preciso também estratégia.

De autômatos a autores da própria história

O espectador de televisão — que outrora assistia passivo a uma grade de programação de conteúdos escolhida por um terceiro e exibidas de acordo com o critérios do emissor — adota uma postura completamente diferente diante dos monitores e telas dos computadores e dispositivos conectados à internet.

O que ver, como ver e quando ver não são mais decisões delegadas a outrem, mas assumidas por quem está no comando dos teclados, mouses e touchscreens buscando informações que considera relevantes para sua vida e que possuem uma multiplicidade de potenciais destinos virtuais.

E, para que as empresas possam se destacar nesses momentos, batizados pelo Google de ZMOT, há um conjunto de técnicas que ajudam os mecanismos de busca a entenderem quais são os sites de negócios que estão publicando os conteúdos mais relevantes para os usuários.

A esse conjunto de técnicas dá-se o nome de Search Engine Optimization (SEO ou, em português, otimização para os mecanismos de busca).

Para saber tudo sobre SEO, confira nossos materiais:

Da intromissão à atração

geração de leads

Na perspectiva do Inbound Marketing, desenvolvido e popularizado com o movimento criado pela internet de busca ativa de informações, não basta apenas atrair potenciais clientes para os pontos de contato que compõem a presença digital da empresa, notadamente o site.

É necessário, também, pensar o que fazer com esse fluxo de pessoas procurando informações e conteúdos — direta e indiretamente relacionados com o negócio que está online.

Para que não deixemos a total autonomia de fazer negócios conosco exclusivamente nas mãos do cliente, é necessário convertê-lo de visitante anônimo para Lead identificado, com chamadas para ação (ou Call-to-Action) que o levem a fazer um cadastro quando quiser um material exclusivo que possuímos — como um eBook ou o acesso a um webinar.

Dessa forma assumimos, enquanto empresas, o papel ativo de influenciar a decisão de compra do futuro cliente, contribuindo para criar nele a convicção necessária para realizar negócios conosco.

Conteúdo educativo e informativo: a alma do Inbound

Esse processo é realizado por meio de conteúdo, que é o combustível demandado em todas as etapas da jornada de compra dos futuros clientes — desde o aprendizado e descoberta até a decisão de compra, passando por reconhecimento do problema e consideração da solução.

E para que essa última aconteça conosco é necessário um excelente trabalho de relacionamento, entregando informações relevantes e conteúdos pensados de acordo com o momento que o potencial cliente esteja e do perfil que ele apresenta.

Com plataformas online de automação de marketing — por exemplo, o RD Station — é possível monitorar o comportamento dos Leads (que um dia foram anônimos) nas interações com os esforços de Marketing Digital que são lançados para conquistá-los, como conversões em Landing Pages, abertura e clique em emails, conclusão de fluxos de automação nos quais eles foram incluídos e, ainda, páginas do site visitadas por ele.

Assim mesclam-se, na criação de oportunidades, as informações deixadas por eles nos momentos de conversão (quando se cadastraram) com os comportamentos que adotam após se identificarem enquanto Leads.

Isso dá às empresas que investem em Marketing Digital condições de saberem quando um potencial cliente está preparado para um contato comercial — ou, idealmente, esperar que ele, de maneira voluntária e espontânea, realize pedidos conosco como resultado de um planejamento e de uma execução assertivos e ajustados.

Quer saber mais?

Marcadores:

Deixe seu comentário