Blog de Marketing Digital de Resultados

Onde investir: Facebook Ads ou Google Adwords?

Na maioria das vezes em que conversamos com gerentes de marketing e falamos sobre compra de mídia online, o Adwords é a primeira opção a vir à mente. Talvez porque a ferramenta de Links Patrocinados do Google tenha sido de fato a primeira opção a apresentar resultados concretos para os anunciantes e acabou se consolidando como a referência do mercado.

No entanto, com o crescimento do Facebook e a evolução dos Facebook Ads, outra ótima opção surgiu e passamos a receber perguntas frequentes de nossos clientes sobre qual dessas duas redes produz melhores resultados, ou seja, vale a pena investir mais.

Entendemos que as duas são importantes e funcionam de maneira complementar. De forma bastante resumida, o Google Adwords é excelente para captar demanda já existente, enquanto o Facebook é muito bom para gerar demanda.

eBook Facebook Ads: o guia completo

Descubra como criar campanhas no Facebook Ads e veja dicas comprovadas para aumentar suas conversões

Vantagens e desvantagens do Google Adwords

Há um banner do Google que diz o seguinte: “Sabe quem precisa de um Táxi? Pessoas que buscam por táxi. É por isso que os anúncios do Google funcionam”.

De fato essa é a grande vantagem do Google Adwords: os usuários estão efetivamente buscando pelo assunto. Isso garante uma taxa de respostas consideravelmente maior e costuma atrair usuários mais “prontos” para a compra.

Por outro lado, os usuários que ainda não sabem que têm o problema não vão fazer buscas sobre o tema, e por consequência não são atingíveis via Adwords. Além disso, as opções de segmentação costumam ser muito mais limitadas e, devido à concorrência em diversos mercados, os preços também costumam ser mais altos.

Saiba mais sobre o Google AdWords em nosso Webinar Gratuito: Introdução ao Google AdWords

Vantagens e desvantagens do Facebook Ads

Uma das grandes vantagens de uso do Facebook Ads é atrair potenciais clientes que ainda estão em estágios bem iniciais de preparação e interesse para a compra. Isso porque o anúncio está presente sem que o usuário busque ou demonstre um grande interesse no assunto.

Além disso, com os anúncios do Facebook é fácil fazer com que o usuário curta a página da empresa e crie um vínculo para ser trabalhado ao longo do tempo, ganhando mais confiança na empresa e lembrando-se dela quando o momento de compra chegar. É uma conversão mais suave do que o “tudo ou nada” do Adwords.

Outro tipo de necessidade em que o Facebook é excepcional é o caso da segmentação por perfil.

Suponha que queiramos ofertar nossos eBooks gratuitos e atingir como público os gerentes de marketing. No caso do Google Adwords, há diversas pessoas procurando pelo tema: estudantes, pesquisadores, assistentes, estagiários, curiosos. É impossível separar o joio do trigo previamente e a empresa acaba pagando por todos os contatos que não são proveitosos.

Já para os anúncios no Facebook, é possível ser cirúrgico na segmentação e atrair o público perfeito para sua empresa.

No entanto, o que é um benefício acaba funcionando também como desvantagem. O fato de o usuário não estar procurando ativamente pelo assunto traz uma taxa de cliques e conversões menor e a oferta precisa ser bastante atrativa para gerar interesse.

Portanto, ambas as redes oferecem ótimos benefícios e o orçamento pode ser balanceado para os tipos de resultados que forem prioridade para sua empresa.

Marcadores:

Deixe seu comentário

Comentários

9 comentários

  1. Jurandir Gustavo Souza Nunes

    Legal o artigo, mas descordo plenamente na parte que diz o seguinte – “É impossível separar o joio do trigo previamente e a empresa acaba pagando por todos os contatos que não são proveitosos”.

    Na verdade da sim e é essencial separar o Joio do Trigo! isso pode ser feito antes dos anúncios começarem a rodar incluindo uma boa lista Palavras-Chave Negativa, negativando canais, regiões, etc e fazendo acompanhamento constante da conta.

    1. André Siqueira

      Oi Jurandir,

      Eu entendo o seu ponto e concordo que isso seja verdade para vários mercados, incluindo ecommerce, por exemplo.

      O problema que mencionei no artigo é que o Google Adwords pega a intenção, não o segmento/fit. Se para o seu negócio o segmento não importar muito, tudo bem. Mas geralmente em vendas mais complexas isso importa.

      Se alguém pesquisa por “dicas de marketing digital”, eu não sei se quem está procurando é um estudante ou um diretor de marketing, por exemplo.

      Acho que é uma análise caso a caso.

      Abs,

  2. Claudio

    Muito legal

  3. Joao Augusto Tavares Nogueira

    Concordo com o artigo e que é vantagem os anuncios do Facebook Ads, mas pelo Adwords há também a opção de anunciar na rede display, ou seja, em outros sites que usam o AdSense, segmetando por assunto de interesse do interanuta, idade, dispositivo, palavras-chaves, etc.. Utilizando das mesmas técnicas do Facebook Ads e é tao eficaz quanto, tornando assim o Adwords uma ferramenta mais completa.

    1. André Siqueira

      Oi João,

      Obrigado pelo comentário!

      De fato o Adsense permite alguns módulos de segmentação, mas são muito menos precisos do que os anúncios no Facebook.

      Acredito que evolua ao longo do tempo, mas a classificação em vários critérios ainda é um problema para o Google.

      Abraços!

    2. Diego Azevedo

      O Adsense não funciona no Brasil, não caia nessa.