3 lições que o RH e o marketing de uma empresa podem aprender juntos

Se você acha que os setores de RH e marketing não têm muito em comum, então leia este artigo e saiba como as duas áreas podem atuar juntas para contribuir com o crescimento de uma empresa


Em vez de ler, que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo:

 

 

À primeira vista, os setores de recursos humanos e marketing parecem não ter muitas características ou funções em comum. Podemos até pensar que são setores independentes, que operam para o crescimento da empresa de forma distinta. No entanto, essa visão não cabe às corporações que almejam se destacar no mercado.

Cada vez mais o RH e o marketing têm sincronizado os planos das áreas e trabalhado para que suas práticas se direcionem ao encontro uma das outras, trocando, assim, aprendizados e ensinamentos.

Quer entender quais são essas experiências e lições que enriquecerem os setores e, por consequência, elevam a produtividade e a lucratividade da empresa? Então continue acompanhando este post produzido pela Metadados — empresa que desenvolve e fornece sistemas para a gestão de recursos humanos.

Semelhanças entre o RH e o marketing

Se fôssemos elencar a principal semelhança que existe entre os setores de recursos humanos e marketing, certamente a primeira indicação seria unânime: as pessoas. Isso porque ambos os setores trabalham por elas: enquanto o RH tem como cliente o público interno, os clientes do marketing são o público externo. Além disso, os dois setores têm uma grande responsabilidade que se assemelha: o engajamento dessas pessoas.

Neste cenário em que o protagonista são as pessoas, envolvê-las é o principal objetivo, tanto do RH quanto do marketing, já que será por meio do comprometimento — interno e externo — que a empresa ganhará relevância no mercado.

Mas, então, o que fazer para essas semelhanças atuarem juntas e ainda servirem como trampolim para a empresa? Confira, a seguir, 3 lições que o RH e o marketing podem aprender juntos:

1. Tecnologia para transformar colaboradores e clientes em propagadores da marca

A tecnologia é uma grande aliada para qualificar os processos, a comunicação, as relações e, principalmente, para facilitar o trabalho diário de milhares de profissionais, inclusive os de recursos humanos e marketing.

No setor de RH, por exemplo, a tecnologia permite que o contato com os candidatos a vagas seja muito mais rápido e o recrutamento mais efetivo. Há ganhos também em outros processos importantíssimos para o setor, como na folha de pagamento, na gestão do ponto (frequência) do funcionário, na distribuição dos benefícios, entre outros.

Ainda, a tecnologia traz resultados imensuráveis quando o assunto é a gestão de pessoas, afinal, como vimos, pessoas são o foco do RH. Por meio de sistemas desenvolvidos com o apoio da tecnologia, é possível fazer a avaliação de desempenho, a gestão de cargos e salários, bem como treinar e desenvolver os colaboradores. Tudo isso de forma muito mais ágil do que em planilhas ou em longas fichas de vida laboral.

Assim, fica impossível pensar no RH sem o auxílio da tecnologia, certo? Certíssimo! Em momentos tão turbulentos como os de hoje, em que a legislação muda constantemente, tecnologia e RH precisam andar lado a lado.

E, quando pensamos no marketing, essa realidade não muda. A tecnologia é fundamental desde o planejamento até a execução. Todos os processos precisam de ferramentas que viabilizem ações imediatas e organizem as diversas tarefas destinadas a difundir a imagem da corporação.

Assim como para o RH, já existem empresas de tecnologia que concentram seus trabalhos a fim de facilitar o dia a dia dos profissionais de marketing, propagando a marca das empresas para o mundo todo.

E, claro, não poderíamos esquecer de uma atividade comum entre os setores beneficiada pela tecnologia: o endomarketing. Também conhecido como marketing interno, o endomarketing, normalmente, é desenvolvido pelas duas áreas em conjunto.  A tecnologia, neste caso, auxilia na comunicação e na relação da empresa como um todo, visando tornar os colaboradores em evangelizadores da marca, isto é, propagando a imagem positiva da corporação em seus círculos familiar, de amizade e profissional.

Da mesma forma, claro, o marketing pulveriza a imagem para os clientes externos, com o auxílio da tecnologia (emails, redes sociais, newsletter, publicidade etc.), convertendo-os em propagadores da corporação.

2. Automatização dos processos

Com a tecnologia, muitos processos de RH e marketing passaram a ser automatizados. E todos se beneficiam disso, principalmente a empresa, que ganha mais tempo dos profissionais das áreas para atuarem estrategicamente.

Um exemplo claro da automação dos processos do RH é a possibilidade do fechamento da folha de pagamento em poucos dias. Isso acontece porque há todo um sistema que executa as integrações do ponto, de benefícios e demais obrigações acessórias.

Assim, o profissional de RH, responsável pelo fechamento da folha, não precisará checar o holerite de cada trabalhador para saber se os valores a serem pagos estão corretos. O sistema de folha de pagamento executa essa tarefa sozinho.

Mas este não é o único exemplo, a automação dos processos de RH beneficia o cumprimento da legislação trabalhista. O eSocial, obrigação que tem impactado as rotinas dos setores de RH e tirado o sono de muitos gestores, pode ter seus eventos enviados de forma totalmente consistente, uma vez que a automação com o sistema de gerenciamento da Metadados, valida os campos e transmite as obrigações. Facilidade e segurança!

Já quando o assunto é a automação do marketing, podemos destacar que por meio dela é possível identificar, acompanhar e agir de forma personalizada com o público. Podem ser automatizados processos como disparo de campanhas de email marketing, agendamento em redes sociais, alteração do estágio do Lead no funil, envio de fluxos de nutrição e mais.

3. Indicadores como ferramentas de ação da gestão

Começando pelo RH, diversos indicadores podem ser medidos. Entre eles podemos citar: absenteísmo, rotatividade ou turnover, custos de pessoal sobre a receita bruta, produtividade (receita bruta por colaborador), custos das rescisões (indenizações e multas FGTS), custos das horas extras, dos adicionais noturnos, das horas improdutivas, interjornada, intrajornada, mais de 10 horas trabalhadas no mesmo dia, menos de 1 hora para intervalo de almoço, férias, cotas, entre outros.

Utilizando uma ferramenta que coleta esses dados, gestores e direção têm a visão total da empresa, munindo-se de informações para a tomada de decisões.

Imagina você descobrir, de uma hora para outra, que os riscos trabalhistas da sua empresa não param de crescer pelo simples fato de não ter acesso a dados, como a frequência do colaborador e as horas trabalhadas por ele. Ou ainda, não ter o cruzamento de dados para perceber que o adicional noturno pago aos colaboradores do turno da noite não compensa as horas produtivas. Já imaginou?

Pois é! Assim como no RH, os indicadores são fundamentais também para o marketing. Mensurar o resultado das duas ações tornam as atividades mais assertivas e, com isso, mais lucrativas. No marketing, podem ser medidos em tempo real indicadores como: visitantes, Leads, taxas de conversões, oportunidades de venda, vendas, custo por Lead, entre outros.

São números que revelam a real situação da empresa, dos investimentos e dos resultados do time de marketing.

Já foi possível perceber como o RH e o marketing têm muito em comum, não é mesmo!? E, certamente, você pode estar pensando como pôr tudo isso em prática.

O primeiro passo é realizar um planejamento estratégico entre os setores. Avalie as lições que ainda não são praticadas pelos dois setores e encontre empresas preparadas para atender ao RH e também ao marketing. Comece agora!

Artigo escrito por Morgana Perini, da  Metadados.

Marcadores:

Deixe seu comentário

Comentários

Um comentário

  1. Maria Gama

    Parabéns, um texto bem coeso e objetivo.