Blog de Marketing Digital de Resultados

YouTube agora também tem seu próprio TikTok

Lamentavelmente, porém, a ferramenta não se chama TikTube, mas sim Shorts. Como chamaremos os criadores de conteúdo? Shortubers?

Como já dizia Lavoisier, há mais de 200 anos, na internet nada se cria, tudo se copia – ou algo parecido com isso. Em mais uma demonstração dessa máxima, o YouTube está lançando em beta na Índia a sua própria versão do TikTok, o Shorts.

A novidade está em testes desde abril, como chegamos a mostrar aqui no blog. Porém, o banimento do TikTok na Índia era uma oportunidade de ouro para ser desperdiçada e, assim, o YouTube – e o Google, seu dono – correu para o abraço.

Se era para imitar, fica apenas o registro da falta de audácia para rotular o novo produto de TikTube, um nome muito mais sonoro e que certamente reverberaria melhor com a garotada. Por exemplo, como se chamarão os creators? “Shorters”? “Shortubers”?

Continue lendo para saber mais. Spoiler: tem as mesmas features do TikTok.

Shorts, o TikTok do YouTube

Deixando o cinismo um pouco de lado, o comunicado de lançamento do Shorts feito pelo YouTube mandou bem em despertar a nostalgia. Olha só se não dá uma ponta de saudade de tempos mais ingênuos da internet e outra ponta de desespero por estarmos envelhecendo e nos aproximando do fim:

O YouTube sempre foi um lugar para se divertir – desde os trends de danças, como Evolution of Dance, Roller Skate Dances ou o Jerusalema Challenge – a vídeos curtos para serem vistos em loop, como Charlie Bit My Finger, Good morning yall ou até mesmo Lockdown Trick Shots. Ao longo dos anos, o YouTube possibilitou o surgimento de toda uma geração de criadores que compartilharam suas vozes e encontraram um público de mais de dois bilhões de pessoas.

De fato, se hoje o YouTube é mais conhecido por vídeos longos, lives e tutoriais, ele tem uma longa tradição de danças divertidas e pequenos registros bem humorados do cotidiano. Que, por sua vez, são os tipos de conteúdo que mais viralizam no TikTok.

Em termos de funcionalidade, quem for fazer seus próprios Shorts terá 15 segundos, recortes de câmeras, velocidades diferentes e uma biblioteca de canções para brilhar e tentar alcançar o estrelato. Por enquanto, apenas na Índia, sempre lembrando.

Abaixo, um videozinho curto dá uma ideia de como funciona. A chave para o sucesso é a facilidade de operação. O Instagram Reels, por exemplo, está apanhando nesse sentido, então vamos ver como o Shorts se compara em relação ao TikTok.

Por que o Shorts pode dar certo

Qualquer coisa que tenha a ver com o Google e o YouTube corre sério risco de dar certo. Afinal, são os dois maiores motores de busca do mundo e, por acaso, ficam dentro do mesma casa na Califórnia. Não literalmente na mesma casa, mas você entendeu.

Também é digno de nota que o mercado indiano é gigantesco, e o Shorts não terá a concorrência do TikTok, que está banido por problemas diplomáticos com a China. O Instagram, aliás, foi mais rápido e botou o Reels em destaque por lá logo depois da decisão judicial.

Outro número que mostra o potencial do Shorts está no comunicado oficial de lançamento:

Todos os meses, 2 bilhões de espectadores vêm ao YouTube para rir, aprender e se conectar. Os criadores construíram negócios inteiros no YouTube e queremos permitir que a próxima geração de mobile creators também desenvolva uma comunidade no YouTube com curtas.

Meu amigo, minha amiga, 2 bilhões é bastante gente, viu? O YouTube promete destacar os Shorts, como aliás já faz hoje com um formato parecido com os Stories no app para smartphone. Então, certamente o Google não está entrando nessa briga para perder.

Aqui na RD, por enquanto não estamos fazendo vídeos nesses formatos curtos e focados em mobile no YouTube. Porém, estamos no TikTok e também fazemos umas graças no Reels do Instagram. E você, vai focar em qual rede social?

Marcadores:

Deixe seu comentário

Comentários

2 comentários

  1. Francisco de Castro Lima

    obrigado pela a informação porque ela é muito inportante para mim

  2. Otto Pohlmann

    Com a confiabilidade do GOOGLE e do YOUTUBE, estou dentro.