Links patrocinados

Links patrocinados:tudo o que você precisa saber

Se você é uma pessoa atenta, já deve ter percebido que, ao fazer uma pesquisa no Google, os primeiros resultados que obtém nem sempre são orgânicos. Muitas vezes, eles aparecem com um pequeno aviso que diz “Anúncio”. Essa é a forma mais comum de usar links patrocinados, mas não é a única. Nesta página você vai aprender tudo sobre links patrocinados: o que são, por que investir, os principais conceitos, onde e como anunciar. Boa leitura!

O que são links patrocinados

Links patrocinados são anúncios de Marketing Digital nos quais predominam o formato de texto simples. Como os links patrocinados mais famosos são os que aparecem nos resultados do Google, há quem use o conceito como sinônimo dos anúncios feitos no buscador.

Especialistas, no entanto, divergem: muitos defendem que a ideia inclui qualquer link pago que é utilizado para divulgar produtos ou serviços na internet. Dessa forma, os anúncios do Google seriam apenas uma das possibilidades. Nesta página, adotaremos esse conceito mais amplo, que inclui também ads em redes sociais, blogs, dentre outros.

Links patrocinados podem ser exibidos em diversas plataformas, como mecanismos de busca, Rede de Display do Google, blogs e portais de notícias.

remarketing google adwords 3

Por que investir em links patrocinados

Investir em links patrocinados tem sido uma estratégia cada vez mais utilizadas por empresas de diversos portes e segmentos, especialmente em tempos de queda do alcance, como tem ocorrido no Facebook.

Muitas vezes, alcançar seus objetivos envolve ações pagas, e os links patrocinados são uma ótima opção. Neste tópico, conheça os principais motivos para investir em links patrocinados.



eBook + Checklist: Guia da Mídia Paga para Inbound Marketing

Veja - na teoria e na prática - como atrair mais clientes através de canais pagos como Google AdWords, Facebook Ads e Native Ads, dentre outros


1. Atraia tráfego para o seu site

Ter um site que recebe visitantes é um dos pontos de partida de uma estratégia de Marketing Digital. Para quem está começando, no entanto, gerar tráfego orgânico pode ser uma dificuldade.

Nesse sentido, são muito úteis os links patrocinados: os anúncios direcionam para páginas que podem ser do seu site, blog ou Landing Page. Está dado o start para a geração de Leads!

2. Acelere seus resultados

Com links patrocinados é possível obter resultados mais rápidos e previsíveis. Mesmo com pouco investimento é possível fazer uma campanha bem segmentada para o seu público-alvo. Uma ótima opção para quem quer acelerar ou turbinar resultados.

3. Identifique seu público


Falamos em fazer uma campanha segmentada, mas nem sempre as empresas que começam a investir em links patrocinados já conhecem bem seus públicos-alvo. Se esse é o seu caso, não desperdice a oportunidade!

Fazendo campanhas de links patrocinados, dá para validar e entender características (idade, gênero, localização) e interesses do seu público com base nas pessoas que mais interagem com seu anúncio.

4. Invista de maneira flexível


Descobrir a quantia certa a investir é uma dúvida comum entre quem está iniciando no mundo da mídia paga. Para quem gosta de respostas prontas, infelizmente não há uma resposta objetiva. Cada empresa tem suas particularidades, por isso o melhor é adotar uma postura investigativa: realize testes de baixo investimento, avalie as respostas do público e otimize as próximas campanhas a partir dos dados obtidos.

O bom é que, independentemente do seu budget, é possível fazer campanhas que se adaptem a sua realidade.

5. Meça os resultados


Por falar em obter dados e otimizar campanhas, eis uma das principais vantagens de investir em links patrocinados: plataformas de anúncios permitem acompanhar em tempo real o desempenho das campanhas. Para cada uma delas, é possível avaliar números como tráfego, geração de Leads e de vendas.

Falamos com mais detalhes sobre os benefícios de investir em mídia paga — o que inclui os links patrocinados — no post Os principais motivos para investir em compra de mídia e acelerar seus resultados com Inbound Marketing.


CPC, CPM e CPA

Quem deseja investir em links patrocinados precisa dominar três métodos de cobrança: Custo por Clique (CPC), Custo por Mil (CPM) e Custo por Aquisição (CPA). Eles são geralmente utilizados por plataformas de mídia paga. Veja um pouco sobre cada um deles:

CPC

CPC (significa Custo por Clique) é uma maneira de cobrar anúncios em que o anunciante paga por cada clique que pode direcionar ao site de destino. Calcular o CPC é fácil: é só dividir o total gasto pelo número de cliques recebidos no anúncio.

CPM

Já o CPM (Custo por Mil) é a métrica que representa o gasto que é gerado a cada mil impressões de um anúncio. Por impressões entenda-se o número de vezes que um anúncio foi exibido ao público na internet. Ao escolher o CPM como método de pagamento, o anunciante concorda em pagar uma quantia predeterminada para cada mil impressões.

CPA

No CPA (Custo por Aquisição), por fim, o anunciante só paga quando alcança o objetivo final da campanha, que pode ser o download de um material, uma venda, dentre outros. É um formato de baixo risco para quem anuncia, já que só se paga pelas transações em que foram realizadas a ação desejada. Mas, por esse motivo, também costuma ser uma opção mais cara.

Quer saber mais e ainda aprender a calcular cada uma dessas formas de precificação e aprender passo a passo como calcular cada uma? Leia o post Entenda o que é Custo por Clique (CPC), Custo por Mil (CPM) e Custo por Aquisição (CPA) e aprenda a calcular cada uma das métricas.

Retargeting: o que é

Quando você vê a página de um produto e depois a oferta segue aparecendo em outras páginas que visita na internet, não é o destino: essa é uma prática chamada retargeting, bastante comum no Marketing Digital.

O termo tem origem no inglês target, que significa alvo. Retargeting, portanto, seria impactar mais de uma vez a mesma pessoa com anúncios que são mostrados depois de uma primeira busca pelo assunto, de uma visita a um ecommerce, dentre outras interações. Talvez você também encontre a estratégia sendo chamada de remarketing, que é a maneira como o Google chama a sua própria ferramenta de retargeting.

Para aprender como usar o remarketing em diferentes plataformas, recomendamos a leitura destes posts:

No vídeo abaixo você pode assistir a uma entrevista que fizemos com Leandro Martinez, especialista em anúncios no Google, sobre retargeting. A entrevista foi feita ao vivo durante o RD Summit Liveshow 2018.

Onde anunciar: conheça os principais canais de mídia paga

Agora que você já conhece os benefícios de investir em links patrocinados e alguns outros conceitos importantes, saiba em quais canais é possível fazer esse tipo de anúncio.


O Google Ads (antes chamado de AdWords) é a plataforma de anúncios e a principal fonte de receita do Google. Sua primeira versão foi lançada em 2000 e, desde então, a plataforma lidera o mercado.

Com a ferramenta, empresas podem pagar ao Google para se destacarem na internet. Um dos benefícios é fazer isso de forma segmentada, o que ajuda a atrair um público qualificado, que tenha relação com a empresa.

Opções de anúncios

No Google Ads, é o próprio anunciante quem desenvolve seus anúncios e determina onde deseja exibi-los, seja na Rede de Pesquisa, em diversos sites pela Rede de Display ou até em outros produtos como YouTube e Gmail. Saiba um pouco sobre cada um:

  • Rede de Display: a rede de display do Google consiste em espaços para anunciar em sites como portais de notícias e blogs. É possível segmentar campanhas e incentivar o público a notar sua empresa, considerar suas ofertas e fazer as ações que você deseja. Está disponível em diversos formatos, como banner, texto e Gmail.
  • Rede de Pesquisa: são exibidos nos resultados de busca, para determinadas palavras-chave. Ficam em destaque no início e no fim da página, com um pequeno aviso que diz tratar-se de mídia paga. É uma boa opção para quem quer alcançar pessoas que buscam por soluções específicas. Nesse caso, o anunciante só paga quando recebe um clique.
  • YouTube: como anunciante, é possível criar campanhas que são mostradas antes, durante e depois de vídeos no YouTube. É possível segmentar o público-alvo de acordo com idade, local, interesses, dentre outros atributos.
  • Shopping: com os anúncios desta categoria você exibe seus produtos nos resultados de busca da seção Shopping do Google.
  • Aplicativos: com esse formato é possível impulsionar a instalação de aplicativos das redes do Google.

Para saber tudo sobre o Google Ads, leia os posts O que é Google Ads? Conheça e aprenda a criar a sua conta e Como criar um bom anúncio no Google Ads.

Facebook Ads

Sabe aqueles posts do Facebook que aparecem com um subtítulo cinza que diz “patrocinado”? Esse tipo de publicação é feita com o Facebook Ads, plataforma que permite aproveitar a audiência da maior rede social do mundo para fazer anúncios para um público segmentado, semelhante ao que ocorre no Google Ads.

A ferramenta oferece diversos formatos e segmentações, focadas em diversos objetivos de negócio: obter curtidas na página, gerar Leads, confirmar presença em eventos e assim por diante.

Opções de anúncios

Existem diferentes tipos de anúncios, cada um com seus objetivos. É a partir do resultado

final que você deve criar a sua campanha. Essa configuração facilita para o usuário criar

seus anúncios e atingir seus objetivos. Abaixo, vamos falar um pouco sobre cada um deles:

  • Reconhecimento da marca: Tem o objetivo de alcançar pessoas com maior probabilidade de prestar atenção nos seus anúncios e aumentar o reconhecimento da sua marca.
  • Alcance: Exibe seu anúncio para o máximo de pessoas.
  • Tráfego: Esse tipo de anúncio envia mais pessoas a um destino dentro ou fora do Facebook. É uma alternativa especialmente relevante, já que você tem a possibilidade de enviar o público atingido pelo anúncio para seu site ou também para suas Landing Pages, aumentando o tráfego nessas páginas.
  • Envolvimento: Faz mais pessoas verem sua publicação ou Página e se envolverem com ela. O envolvimento pode incluir comentários, compartilhamentos, curtidas, participações no evento e obtenções da oferta.
  • Instalações do aplicativo: Envia as pessoas para a loja onde elas podem comprar seu aplicativo.
  • Visualizações do vídeo: Promove vídeos para aumentar a conscientização sobre a sua marca.
  • Geração de cadastros: Anúncio que coleta informações de cadastros de pessoas interessadas nos seus negócios. Funciona da seguinte maneira: o usuário clica no banner do anúncio e é direcionado a uma Landing Page fora do Facebook, na qual preenche informações em troca de algum produto ou serviço. Também é possível criar os chamados Lead Ads, em que o usuário impactado pelo anúncio não precisa sair da rede social para fazer a conversão. Quando usuário clica no anúncio, aparece um formulário que vem previamente preenchido com suas informações públicas do Facebook, como nome e email, dentro da própria plataforma para o usuário converter em poucos cliques.
  • Conversões: Faz as pessoas executarem ações no seu site ou aplicativo, como adicionar informações de pagamento ou fazer uma compra. É necessário usar o pixel do Facebook ou eventos do aplicativo para rastrear e medir conversões.

Para saber mais, confira o Guia Completo e Gratuito do Facebook Ads.

Instagram Ads

O Instagram Ads é uma forma de veicular anúncios tanto no feed quanto nos Stories da rede social. Esses anúncios são veiculados nos formatos de fotos, vídeos e carrossel com sequências de fotos ou vídeos. A ferramenta pode ser usada para gerar cliques, conversões, instalações de aplicativos, visualizações de vídeos, etc.

Criar anúncios no Instagram traz visibilidade, atração e reconhecimento da marca para sua empresa. Os vídeos curtos, as fotos e as imagens em carrossel são ótimos para ajudar na educação de uso de produtos e serviços.

Opções de anúncios

  • Imagem: tipo mais comum de anúncios, com uma imagem ou vídeo, botão de Call-to-Action e legenda.
  • Carrossel: permite publicar até 10 imagens no mesmo anúncio, com legendas e botões de CTA. Ideal para contar uma história ou mostrar vários produtos.
  • Stories: os outros formatos de que falamos são voltados para o feed. Nos anúncios de stories, você divulga sua empresa entre as histórias dos Instagram dos usuários. As imagens são mostradas por 5s na tela e os vídeos por no máximo 15s. Também é possível criar um carrossel de stories.

Para saber mais, leia o eBook gratuito Como anunciar no Instagram Ads

Linkedin Ads

O LinkedIn Ads é a plataforma de anúncios da rede social voltada para profissionais. Permite fazer segmentações e em geral atrai usuários mais qualificados, já que há mais dados disponíveis sobre onde o usuário trabalha e sua profissão.

Opções de anúncios

Entre as possibilidades para anunciar no LinkedIn, os formatos de anúncios mais comuns são Sponsored Content (conteúdo promovido na timeline), Text Ads (pequenos anúncios de texto) e Sponsored InMail (mensagem patrocinada na caixa de entrada).

  • Sponsored Content: Formato com o objetivo de promover o seu conteúdo para profissionais em desktop, smartphone e tablet. Esse conteúdo aparece na sua tela inicial (newsfeed) e é preciso que sua empresa tenha uma Company Page para utilizar o formato.
  • Text Ads: Nesse formato, você coloca o link no texto e direciona para seu website como os anúncios de pesquisa do Google.
  • Sponsored InMail: Formato que permite enviar mensagens para seus Leads diretamente na caixa de entrada do LinkedIn para obter o máximo de impacto. Esse formato só pode ser feito através de uma nova conta com o gerente de contas do LinkedIn.

Native Ads


Os Native Ads, ou publicidade nativa, são uma forma de entregar anúncios que sejam relevantes para o público, sem atrapalhar a experiência dele na página. Certamente você já viu um anúncio desse formato, que costuma aparecer no fim da página, dentro de sites de notícia, em forma de recomendação.

A principal vantagem dos Native Ads é o fato de que é menos intrusivo do que os banners, tendo potencial para criar valor para o público ao apresentar um conteúdo informativo ou divertido. Também permite criar conexão emocional com a audiência e pode visar a diversos objetivos, como geração de Leads, compras, consciência de marca, dentre outros.

Para saber mais, confira o eBook gratuito Native Ads: O que são e por onde começar.

Como otimizar campanhas de Link Patrocinados

Soltar uma campanha e deixá-la rodar sem melhorá-la não faz sentido. Sempre há uma maneira de melhorar e otimizar a campanha para reduzir custos e entregar melhores resultados.

Utilizamos alguns indicadores que podem identificar melhorias para sua campanha em 5 passos:


1. Segmentação

Verifique se o público para o qual você anuncia está respondendo positivamente à campanha. Sempre teste segmentações diferentes para a mesma oferta para entender qual terá o melhor resultado.

2. Bidding (lance e modelo da compra)


Quando você inicia uma campanha sem histórico e precisa ganhar relevância, deixe o lance automático para o algoritmo do Google/Facebook encontrar o melhor lance (geralmente o recomendado são 7 dias corridos de campanha para identificar performance automática).

Porém, nem sempre é o melhor preço! Por isso, temos 2 estratégias para você começar sem ir pelo modo automático de lance e fazer no modo manual: Lance Alto Iniciar com um lance super alto, mais do que a própria ferramenta recomenda. Assim que ele tiver relevância, você vai diminuindo aos poucos a cada dia. Esse formato você deve utilizar se tiver pressa e budget para gastar um pouco a mais. Lance Baixo Iniciar com um lance menor do que a ferramenta propõe, assim você vai subindo o lance pouco a pouco. Mesmo que no começo não tenha impressões, você vai precisar de paciência para ir inserindo um pouco mais de investimento no seu lance. Esse modelo é recomendado se você não tiver pressa e quiser otimizar investimentos, como reduzir gastos com os anúncios e ser efetivo em entregar resultados por valores menores.

3. Placement (lugar onde aparecem os anúncios)

É importante testar vários lugares nos quais o anúncio vai aparecer. Muitas empresas querem anunciar em todos os lugares disponíveis, mas às vezes pode não ser efetivo aparecer em determinado lugar.

Por exemplo, se sua página de formulário não é otimizada para celular, quando fizer uma campanha para dispositivos móveis, talvez você tenha uma taxa de conversão mais baixa do que para desktop.

Em campanhas para celular, costumamos deixar poucos campos de formulário para pessoas que clicam em um anúncio na rede de display do Google, via newsfeed mobile, Facebook Ads ou Instagram Ads.

Também tome cuidado com anúncios na lateral direita do Facebook Ads. Eles funcionam bem para gerar tráfego para seu site, então um dos motivos para criar uma campanha separada é utilizar o modelo de compra por CPC em vez de comprar por CPM, o que iria consumir muitas impressões e não gerar muitos cliques.

4. Device (Dispositivos)

Falamos acima sobre campanhas de posicionamento no celular, e também aqui você pode verificar qual dispositivo está com melhores resultados. Dependendo da performance, você pode pausar campanhas por sistema operacional do celular, como iOS, Android ou Windows Phone, e deixar aquela que tem melhor resultado para otimizar ainda mais. E, se por algum motivo nenhuma campanha para celular funcionar, você pode pausá-las e deixá-las ativas somente para desktops.

5. Frequência

Essa otimização é essencial como indicador de mídia paga. A frequência é quantas vezes o mesmo anúncio impactou o mesmo usuário. É um grande fator porque comerciais de TV já utilizam isso há anos. Quantas vezes você não viu o mesmo comercial em um intervalo de um programa? Por exemplo, se um anúncio foi visto mais de 12 vezes por uma mesma pessoa e não houve muitas conversões, melhor você ampliar sua segmentação ou trocar a peça do banner. Em alguns casos, você pode controlar quantas vezes quer aparecer na rede de Display do Google Ads. Já no Facebook, há uma opção de não mostrar mais de uma vez por dia.


Confira também alguns hacks sobre anúncios na entrevista com Fabio Prado Lima, especialista no assunto e fundador da AdResults. A conversa foi gravada ao vivo durante o RD Summit Liveshow 2018.

Como analisar os resultados das suas campanhas

Depois de rodar a campanha, é hora de definir os indicadores que comprovam o ROI juntando todo o seu investimento em mídia paga.

O primeiro passo é identificar a campanha, objetivo, gastos e resultados. Tendo documentado cada campanha com valores divididos separadamente, você consegue saber se está dentro das metas que você definiu no começo de mês e de acordo com o CPA (Custo por Aquisição) que se encontra dentro do esperado.

Pode ser criada uma planilha para que você acompanhe os valores e resultados de acordo a campanha.

Exemplo:

roi de midia paga

No exemplo da campanha de Vendas de Cursos Online e Vendas de Tickets para eventos, temos uma meta de vendas através de mídia paga: quanto foi investido em anúncios e quanto gerou em vendas. Na planilha, também acompanhamos o status da meta por dia.

meta de vendas ppc

No caso de campanha de geração de Leads, você pode avaliar o ROI através da análise dos Leads que vieram de mídia paga e efetivamente compraram. Um exemplo são as campanhas BoFu (ou fundo de funil), cujos anúncios direcionam para uma Landing Page que oferece um teste gratuito ou uma conversa com um vendedor. Usando a ferramenta Marketing BI do RD Station Marketing, podemos ver claramente o ciclo de cada canal de aquisição.

rd station marketing


Quer uma ajuda mais prática para começar ou desenvolver sua estratégia?

Então confira os conteúdos recomendados abaixo. São todos gratuitos.


Conteúdo desenvolvido pelo time de Marketing da Resultados Digitais, publicado em 15 de fevereiro de 2019.

Deixe seu comentário